No silêncio das árvores o vento é uma voz alta que se impõe.

Tem momentos na vida que o que prevalece é o silêncio. O silêncio da fala, o silêncio da ansiedade, o silêncio do impulso, o silêncio do andar, o silêncio da respiração, o silêncio da preocupação. O silêncio é tão intenso que começa a trazer um outro lugar no mundo, outros valores, outros ares e outras pessoas. Mas o silêncio por si só incomoda quem está de mãos dadas com o barulho. E é aqui que o início de uma luta se faz presente. Quanto tempo conseguiremos tolerar nosso verdadeiro silêncio quando o mundo nos exige uma voz alta e estridente? 

Um dia desses, nesse tempo incerto caminhava pela rua e parei com meu filho embaixo de um limoeiro, ali fiquei parada olhando os frutos que se desenvolviam. No profundo silêncio o cheiro do limão me fez conversar. Como a natureza é sábia e forte. Aquela pequena árvore fazia lentamente o seu processo em vida. No momento certo apresentou ao mundo seus filhos, deu a eles o necessário para crescerem fortes e se desprenderem de seus longos braços. Se tornaram grandes, suculentos e capazes de criar suas próprias raízes. Alguns serão os nossos alimentos e aqueles que, antes do tempo da colheita, caírem ao chão se tornarão dispensáveis a nós seres humanos exigentes, para dar a terra o melhor de seus nutrientes. Nesse mesmo instante o vento, a chuva começaram a balançar  os galhos daquela árvore e mudou o percurso que idealizei para aqueles frutos e, como reagiu a natureza? Aceitou! Somos capazes de simplesmente aceitarmos o caminho que a vida nos impõe? Somos capazes de aceitar as tempestades e suas consequências? 

No silêncio das árvores o vento é uma voz alta que se impõe. No silêncio das árvores sua copa é uma voz alta quando o sol se impõe. Diante do sol e diante do vento algo em nós, filhos da natureza, age na contramão do que nos foi ensinado. Diante do silêncio da vida e do silêncio da morte todas as vontades se impõe. Diante da vida e diante da morte todo controle se impõe. Mas diante daquilo que precisa ser não há tentativa de imposição que se faça tão forte quanto a jornada de cada alma. O processo é lento, silencioso, solitário e transformador.  

“Diz-se que, mesmo antes de um rio cair no oceano ele treme de medo. Olha para trás, para toda a jornada, os cumes, as montanhas, o longo caminho sinuoso através das florestas, através dos povoados, e vê à sua frente um oceano tão vasto que entrar nele nada mais é do que desaparecer para sempre. Mas não há outra maneira. O rio não pode voltar. Ninguém pode voltar. Voltar é impossível na existência. Você pode apenas ir em frente. O rio precisa se arriscar e entrar no oceano. E somente quando ele entra no oceano é que o medo desaparece. Porque apenas então o rio saberá que não se trata de desaparecer no oceano, mas tornar-se oceano. Por um lado é desaparecimento e por outro lado é renascimento. Assim somos nós. Só podemos ir em frente e arriscar. Coragem! Avance firme e torne-se Oceano!” – Osho

“O Rio e o Oceano” é minha tentativa de finalizar um texto, mas de maneira nenhuma colocar um ponto final no silêncio que guia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s