É possível caminharmos juntos? Individualidade x Conjugalidade na realidade do casamento.

Esse mês trago o tema da individualidade e conjugalidade nas relações de casamento. Será possível manter o individual e construir o conjugal sem afetar a relação? Seria essa uma utopia do casamento?
A teoria proposta por Philippe Caillé, um e um são três, é descrita no artigo de Terezinha Féres-Carneiro “Casamento contemporâneo: o difícil convívio da individualidade com a conjugalidade”
“Cada casal cria seu modelo único de ser casal, que ele chama de “absoluto do casal”, que define a existência conjugal e determina seus limites. A sua definição de casal  contém portanto os dois parceiros e seu “modelo único”, seu absoluto”. 
Em meu trabalho com terapia casal tenho notado, com certa frequência, o desejo da construção da conjugalidade, no entanto, há certa incompatibilidade na ideia do conjugal. O ceder está incluso, no entanto, este não pode ser o único recurso, já que, pode tornar-se a anulação da individualidade. 
A autonomia individual é fundamental na construção da vida a dois. Ficar somente no um ou no três pode resultar no fracasso da manutenção saudável da relação. A linha é tênue quando se trata em respeitar o individual pois, esta pode ser a munição contra o casamento. Aceitar e apoiar a individualidade é parte integrante para a construção do caminho único, o casamento. 
Ideias como fazer uma caminhada, um curso, uma reunião com os amigos devem ser respeitadas, no entanto, quando um dos parceiros começa a exigir respeito em suas escolhas é o momento de se parar para pensar. Por que estou tendo que pedir respeito? Que respeito é esse que desejo? Estamos construindo uma relação de desejo ou de dependência? Estamos no casamento porque queremos ou porque precisamos? Questões como essas são recorrentes e podem ser um indicador da necessidade de abrir novos olhares e principalmente acordos sobre como devem levar a união. 
A conjugalidade deve ser preservada, assim como a individualidade. São duas pessoas construindo uma vida. A base de qualquer relacionamento deve estar apoiada em comunhões de vidas. É preciso construir um lugar confortável de planos, objetivos onde reforçam o desejo e a escolha pelo casamento. Assim, a individualidade deixa de ser uma ameaça e passa a ser parte integrante e necessária no casamento.
Casar é unir um e um e gerar o três, o casamento. Esse modelo único e verdadeiro acontece quando ambos caminham na mesma direção.

2 comentários sobre “É possível caminharmos juntos? Individualidade x Conjugalidade na realidade do casamento.

  1. Muito interessante, oportuno e de grande valia, esse assunto postado onde vivemos numa sociedade em que o individual se faz cada vez mais presente na vida das pessoas. O texto aborda de forma suscinta e abrangente a questão.Acho que onde existe amor, respeito, e profundo comprometimento com a manutenção de uma relação duradoura, está a base que possibilita a superação e aceitação das diferenças no casamento, onde o casal pode ter condições de manter sua individualidade, com as possiveis concessões que são inevitavelmente necessárias de ambas as partes, possibilitando a construção do \”três\” de forma saudável.Nesse sentido, a individualidade não pode ter a configuração de individualismo, que é egoista, pois dessa forma, haveria a corrosão gradativa da união e o inevitável afastamento.Parabéns pelo texto.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s